Minhas Histórias

A evolução do biscuit.

1 de dezembro de 2011
Em: Minhas Histórias | 3 comentários

Galera!! Já perceberam a evolução da arte em Biscuit?

Percebe-se esta evolução começando pela massa que há alguns anos atrás era feita artesanalmente no fogão ou microondas de nossas casas. Diversas receitas anotadas no papel ou já em nossas mentes nos acompanhavam a cozinha assim como no mínimo cinco ingredientes.

Os ingredientes variavam conforme a receita, algumas com limão, outras com vinagre, mas a cola, vaselina líquida e o amido de milho não podiam faltar, cada um com seu papel químico na massa (ainda vou procurar saber quimicamente falando sobre o efeito desses ingredientes).

A minha esta na mente até agora, sem precisar de “cola”: Rsrsrsrs

Ingredientes para a massa feita em casa.

“2 xícaras de cola para porcelana fria, 1 amido de milho pequena, 1 colher de vinagre, 1 colher de vaselina líquida e creme para as mãos, após mexer os quatro primeiros ingredientes no fogo até descolar, aguardar a massa esfriar, e logo em seguida sovar com creme para as mãos até que a massa desgrude de sua mão. Embalar a massa em um saco plástico por 2 horas e em seguida trocar o plástico, aguardar 10 horas para poder trabalhar com a massa. Detalhe, não era qualquer panela não, tiinha que ser panela anti-aderente.”

Mais parecia uma receita de bolo, estranhava quem me presenciava cozinhando essa “gororoba”, e não era mole mexer a massa não, quem me conhece não acredita que meus bracinhos eram capazes dessa façanha.

Pois é, hoje, não vejo mais as biscuiteiras trocarem receitas de massa, e sim onde no mercado encontrar massa mais “barata”, com um valor menor.

Massa ponta.

Hoje, as massas existem em diversos fabricantes, são compradas em pacotes que variam de 200g a um quilo, tem um menor encolhimento, perfumadas, secagem mais rápida, comestíveis, tingidas, apesar de que ainda sou do tempo antigo neste quesito, tinjo a minha massa. Dentre outros benefícios que o capitalismo fez com a nossa arte.

E isso é bom? Eu adoro, pois realmente tempo é dinheiro. Além de perceber que nossa arte de modelar usando o biscuit esta cada vez sendo valorizada, sempre em evolução.

Não é a toa que sou adimiradora e apaixonada por essa massinha “massa”.

Ferramenta de biscuiteiras, qual afinal?!

12 de novembro de 2011
Em: Minhas Histórias

Rsrsrsrsrsrs…

Me divirto com esse assunto, pois o mais inusitado objeto pode se transformar em ferramenta nas mãos de uma biscuiteira.

Mas, assim como qualquer profissional tem suas principais ferramentas, nós modeladores da massa de biscuit, também temos as nossas, as estecas e extrusouras, conhecida também como ejetor.

Há uma grande variedade de modelos, tamanho e material, podendo ser de plástico, metal etc.

Estecas de plástico

Extrusoura ou ejetora de plástico

 

 

Além das estecas e extrusouras (ou ejetor), o mercado oferece um grande leque de ferramentas para esta modelagem, tais como carimbos, cortadores, formas.

As biscuteiras eu digo: Não se prendam a estas ferramentas, apesar que elas não devem faltar na sua mesa de trabalho, mas sempre tenha também uma caixa de palito de dentes, régua, tampa de caneta, caneta, tampa de hidrocor, agulha de crochê, lixa de unha, cano pvc, palito de churrasco, nossa própia unha, copo e até ferramenta de médicos (eu uso uma tesoura médica da ponta curva, ótima para cortar a massa em círculo).

E para quem não é biscuiteira, só para você entender que com essas ferramentas citadas anteriormente, nos auxiliam na modelagem e desenvolvermos peças que vocês nem acreditam, como, fazer florzinhas a partir da tampa do hidrocor, rsrsrsrsrs…

Ferramenta de biscuiteiras, qual afinal?!

A que estiver por perto e que supra a necessidade da nossa criatividade.

Muito divertido Biscuitar e improvisar. ;)

Logomarca BISCUITAR

19 de outubro de 2011
Em: Minhas Histórias | 2 comentários

Uma curta e linda história resume o surgimento da logomarca do Biscuitar.

Em uma rápida conversa com o Igor Mêda da Tengu Propaganda, e depois de algumas referências de logomarca que admiro, surge a logomarca do Biscuitar.

“Não quero nada muito infantil, até por que os produtos do Biscuitar, mesmo alguns serem diretamente infantis, são aos adultos que os apresento. Ah!! Ressaltando também que os produtos do Biscuitar são exclusivos e de criatividade carinhosamente pensada, assim pretendo que seja a marca, diferente de muitas que vejo no mercado. Então, resumindo, quero através da marca mostrar a seriedade, criatividade e diferencial quando se lê BISCUITAR”

Essas foram minhas recomendações a Tengu Propaganda, que cegamente confio na criatividade e experiência de sua equipe.

Após esta conversa, passei alguns dias ansiosa para ver o resultado final, então, Igor Mêda me passou o e-mail com a Logomarca finalizada. Surge a logomarca do Biscuitar:

“Lari, criamos a sua marca e seguimos uma linha bem direta e minimalista, O que acha?.”

O Igor Mêda ainda disse isso e perguntou o que eu achei?!! Lindaaaaaaa!!!!

E hoje pela primeira vez, divulgo com muita alegria a todos os amigos, clientes e admiradores a identidade do Biscuitar.

Quero agradecer o incrível presente que ganhei da Tengu Propaganda e de todos os amigos que a compõe (Igor Mêda, Paulo Lafayete, Lucas Maia, Chico Medeiros, Leonardo Arcoverde, Andreia Lemos, Andreia Alves e Malu Rocha), além do período que fiz parte dessa equipe.

Valeu Tenguuu!!!!

:)

Palmas para as Mãos.

21 de agosto de 2011
Em: Minhas Histórias | 4 comentários

Hoje, quero homenagiar minhas mãos.

Minhas mãos que me possibilita modelar o biscuit com tanto carinho e capricho e pintar os detalhes com tanta coordenação.

Em minhas orações sempre agradeço a Deus o dom que ele me deu e agradeço também por ter minhas mãos ao meu dispor.

E é o poema de Jacques Manz que consegue descrever o quão incríveis sãos as mãos:

Mãos de fada
Aladas
Traquinas
Mãos caladas
Danadas
“Malinas”.
Pintam o céu
Levam-me ao inferno
Cantam com véu
Rasga-me o terno
A alma.
Venda-me os olhos
Oculta-me os segredos
Assusta-me no escuro
Enche-me de medos.
Mãos que falam
Que dançam
Que gozam
Mãos que riem
Que machucam
Que choram.
Que lágrimas
Que sorrisos
Que lástimas
Que paraíso…
Mãos de padres
Mãos de putas
Mãos covardes
Mãos astutas
Que batem
Que consolam
Que ferem
Que assolam
Mãos que oram
Que erram
Que pecados
Que amados
Mãos que rimam
Que ensinam
Que aprendem
Que se desprendem
Mãos que enrugam
Que experiências
Que madrugam
Que dormência
Mãos que dormem
Que vivem
Que morrem…

 

Mãos capazes de criar!!

Realmente sou muito grata!

Palmas para as Mãos!
:)

 

 

Prazer, eu sou o Biscuit!

30 de maio de 2011
Em: Minhas Histórias | 2 comentários

Foi no final de 2000 que tive o prazer em conhecer o Biscuit.

Não muito prazeroso, pois ao tentar diversas vezes fazer a massa (antes a massa era produzida em casa, no fogão com uma mistura de ingredientes) por uma receita apresentada no programa da Ana Maria Braga, não tive sucesso, vezes ficava dura demais e vezes mole demais, até hoje tem colada na parede do vizinho uma massa que joguei, daí então, desisti.

Início de 2001, numa feira de artesanato e lar no Ginásio do Sesi, minha mãe estava expondo a perfumaria que ela trabalhava e eu ajudando, chegou a hora do lanche, passeando pela feira, vi aquelas pequenas artes, incrivelmente feitas com massa, desses parecidas com massa colegial, fiquei um tempo neste estande olhando tudo, e eu pensei: “Quero fazer também”.

Tinha potes, chaveiros e vários imãs.

E no meio deles, uma placa dizendo que haveria um curso na Gaivota Aviamentos, no centro. No outro dia, foi saber mais sobre o curso e no sábado próximo, já estava lá com meu kit para finalmente aprender a fazer a massa, meu maior e primordial interesse.

E finalmente consegui fazer a massa!!! Rá!! De quebra aprendi a fazer um pote, uma cenourinha e uma bonequinha, imã de geladeira que até hoje faz parte da decoração de minha geladeira.

Daí então, comecei a brincar de modelar, e finalmente ganhei minha primeira revista. Adivinhem de quem? Alguém mais que especial para mim, não poderia vir de mãos melhores aquele presente, minha cunhada Regi. Não sei se ela estava querendo agradar a cunhadinha ou era incentivo mesmo, kkkkkk, só sei que adorei, foi o começo de tudo, comecei a ter a prática e as técnicas.

Valeu Regiiii!! Não vendo, não dou e não empresto esta revista, só a você. kkkkkk

Engraçado que eu não esqueço, realmente fui apresentada a algo marcante, pois parece uma lembrança como o primeiro beijo ou o dia que a gente conhece uma paixão. Me lembro de detalhes e não os esquecerei nunca.
:)

A imortal bonequinha imã, meu primeiro trabalho.

 

Minha primeira revista. =D